Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



E o burro sou eu?

por carlos carujo, em 29.11.13

 

 

Não terá sido Scolari que fez escola. Mas a metáfora do burro nacional ganha destaque no prestigiado New York Times. O burro seria o símbolo do interior português enquanto subsídio-dependente, à beira da extinção e ameaçado pelos cortes da austeridade. Vaqueiro, o Presidente de Junta socialista de Paradela, dá para esse peditório dizendo que os “subsídios nada trazem” e que “está toda a gente completamente dependente deles e portanto não há espírito de inovação e desejo de modernizar ou produzir mais”. Está a falar dos burros de Miranda, em vias de extinção porque perderam a sua função económica, mas lê-se no que se diz dos burros um discurso geral sobre os subsídios do Estado à preguiça e sobre os mitos da “inovação”.

Poderíamos bater no peito de forma nacionalista e gritar contra quem nos vê como burros improdutivos e ornamentais. Mas a questão que interessa é que a burrice das políticas não está em preservar uma espécie ameaçada, está na maneira como se despreza o interior do país enquanto estratégia de integração no capitalismo mundial e no discurso da subsidiodependência permite a agressão aos direitos mais básicos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:50





calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D