Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Há 9 meses que este blog não é atualizado. Estou convicto que o seu pressuposto se mantém e relembro que esse pressuposto seria a luta de classes que não perderia o foco sobre quem é amigo ou inimigo, aliado ou rival. E também não esquecia nem escondia de onde vínhamos, onde estamos e para onde queríamos ir. Nem escamoteava divergências, nunca deixando de as respeitar.

No entanto e no seguimento dos resultados das últimas eleições autonómicas e municipais do Estado Espanhol, notei alguns comportamentos e reações, ou ausências delas, algo esquisitas. E a partir daqui terei que confrontar algumas pessoas, amigas e aliadas, para certas contradições que, no meu entender, são inaceitáveis para o sucesso da tal da luta de classes.

O Podemos, coligado ou com potencial de fazer acordos com outras forças políticas de esquerda ou ditas de - esquerda - ganhou Madrid, Barcelona, Compostela e Corunha nas eleições autonómicas e municipais do Estado Espanhol.

Em Portugal tivemos o esquerda.net, portal do Bloco de Esquerda, a publicar 3 notícias relevantes: sobre a vitória de Ada Colau da Coligação Barcelona em Comú, dependente de potenciais acordos com outras forças de esquerda e/ou nacionalistas para obter uma maioria absoluta; de Martiño Noriega da coligação Compostela Aberta em Santiago e Xulio Ferreiro da Coligação Marea Atlantica da Corunha, nas mesmas condições.

Acrescente-se uma possibilidade avançada pelo El País: Manuela Carmena, da coligação Ahora Madrid pode vir a ter o apoio do PSOE para formar uma maioria em Madrid, apesar de terem sido a segunda força (atrás do PP).

Isto representa, de facto, uma hecatombe no sistema bipartidário esapanhol, como disse Pablo Iglesias.

Voltando a Portugal, tivemos várias sensibilidades de esquerda que se reivindicaram herdeiras ou entusiásticas apoiantes do Podemos, partido envolvido em todas as coligações supra-citadas. Passo a descrever as reações das principais pessoas envolvidas neste processo, através dos seus status do facebook.

Nuno Ramos de Almeida, amigo e aliado, anunciou com entusiasmo a possibilidade de listas com o Podemos ganharem Madrid e Barcelona, horas antes de se saberem os resultados definitivos. Mas ficou-se por aí.

Renato Teixeira, amigo e aliado, vai de férias com Tom Waits, mas promete voltar em Julho.

Raquel Varela, amiga e aliada, preocupa-se com a educação das crianças no programa Barca do Inferno.

Joana Amaral Dias, amiga, aliada e candidata a deputada pela coligação PTP / Agir demonstrou-se preocupada por estar outra vez sem telefone.

Gil Garcia, amigo e aliado do MAS, potencial candidato pelo partido "Juntos Podemos",  não tem nada a dizer-nos desde 20 de Maio.

João Labrincha, amigo, aliado, organizador da manifestação Que Se Lixe a Troika e potencial candidato pelo partido "Juntos Podemos", diz que o podem conhecer melhor numa página chamada Dreamocracy.

Rui Tavares anunciava a sua entrevista à RTP2, Ana Drago e Daniel Oliveira apelavam à participação nas primárias do LIVRE.

Relembro que todos estes amigos e aliados tentaram (talvez alguns ainda o estejam a tentar) disputar em Portugal a herança do PODEMOS. Alguns tentaram mesmo criar um partido, mas após muitas divergências e acusações mútuas, aparentemente nenhum concretizará tal fetiche.

Com a aproximação das eleições legislativas em Portugal, não podemos deixar de fazer a velha pergunta: Será que não é mais importante aquilo que nos une do que o que nos separa? E não será o PODEMOS um objecto de inspiração ao mesmo tempo que de reflexão sempre crítica, no mais fraternal espírito da esquerda?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:53





calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D