Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ação direta nos leitões da Mealhada !!!

por João Mineiro, em 14.01.14

Ação direta nos Leitões da Mealhada

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 09:39

 

Está na moda uns arquitetos e designers inventarem abrigos para moradores de rua. E que tal lutar contra as raízes da pobreza e da pior exclusão social que existe, o morar na rua?

 

Isto é uma caixa de papelão "design". Isto os moradores de rua já usam, sem a publicidade que está a ganhar esta arquiteta com um produto que nem protege do frio, o que - diga-se de passagem - até é o principal problema emergencial de quem mora na rua. Acho muito interessante a ideia de construir casas novas e sustentáveis para moradores de rua, de forma a que possam ter algo "seu". Até se pode projetar novos bairros com novos critérios e lógicas de participação comunitária e vida sustentável. Tudo bem. Mas em relação a estas propostas de "arquitetos" há várias perguntas a serem feitas:


Não faria mais sentido, de uma perspetiva mesmo economicista, mas tambem ecológica, aproveitar o número absurdo de casas vazias nos centros urbanos de todo o planeta para dar habitação a quem precisa? Precisamos mesmo construir mais? 

Este projeto já inclui algo que se pode chamar de "casa", mas os moradores "estacionam" a casa e têm de mudar de lugar a cada dois dias. 
Porque é que essas pessoas só merecem uma "casa de emergência", pequena, móvel? Na prática, continua a reproduzir-se a sua exclusão social mas limpando a consciência de umas quantas "boas almas" que vão dormir com menos peso na consciência, debaixo de um teto. Por serem extremamente pobres, pelos vistos os moradores de rua só merecem soluções rápidas, emergenciais e não planeadas no contexto da cidade. 

No caso deste projeto, por ser de mobilidade imposta, nem podem incluir-se na vida comunitária de um bairro, que é um primeiro passo para evitar o regresso a situações de exclusão extrema como é dormir na rua. 

Não será outro o papel de arquitetxs e urbanistas? Planear e lutar por outra cidade, onde as casas sejam para as pessoas e não para a especulação e consequente deterioração do meio urbano?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:36

Alguém tem um Guronsan?

por João Mineiro, em 09.01.14

 

 

Muita gente entra no primeiro dia do ano com uma grande ressaca. Dia 1 de Janeiro costuma ser um dia de dores de cabeça e mal-estar. Mas eu confesso que este ano ainda não me passou o enjoo. É que logo no início do ano chegou-me a notícia que o ilustre e prendado João Almeida já tinha chegado a Secretário de Estado.

 

Confesso que desde esse dia me vieram uns enjoos incontroláveis. Sempre que penso no João Almeida como Secretário de Estado perco a cabeça e tenho alucinações, o meu estômago fica às voltas, tenho dificuldade em respirar, dor de cabeça, irritação na pele e, se pensar muito, chego a ter que ficar alguns dias de cama.

 

Pensar que estou a ser governado por um João Almeida tira a energia, a saúde e a compostura a qualquer um.

João Almeida é o tipo que disse que os funcionários públicos que não concordam com o governo deviam basicamente despedir-se.

 

João Almeida é o típico boy da jota, neste caso da patega Juventude Popular, que aos 37 anos já leva 12 anos de deputado. Entrou no parlamento aos 25 e nunca mais quis sair. E, na verdade, tendo ele tirado um curso de direito, teve um percurso de vida santo, com um trampolim directo da universidade para o Estado, onde se preservou durante todos estes anos até agora ser, imagine-se, Secretário de Estado.

 

João Almeida agarrou-se ao osso e ninguém o demoveu. Aí de quem o contrarie. Está bem rodeado de lobos, todos à sua volta, a salivar, prontos para defender a sua mais promissora cria.

 

Este ex-presidente da JP, ainda que tenha deixado crescer a barba, lavado o cabelo, arranjado as unhas e comprado uns fatos caros com o dinheiro que foi amealhando, é o sinal de um país que apodrece. Apodrece um país e apodrecem também os seus órgãos de soberania. Ao ponto de darem enjoos.

 

Alguém tem um Guronsan?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:51

Dia 13 de Janeiro, pela decência !

por João Mineiro, em 09.01.14

Os trabalhadores da linha saúde 24 estão em luta. São só os mais recentes alvos deste governo: despedimentos, cortes saláriais, aumento do horário de trabalho e degradação do imprescindível serviço de saúde que prestam. Depois da greve, e perante o silêncio e a falta de respeito, os trabalhadores vão manifestar-se na próxma segunda-feira, dia 13, a partir das 10h30, com saída da Autoridade para as Condições do Trabalho e destino o Ministério da Saúde.

 

É pela dignidade. Uma luta deles, mas também uma luta nossa. Divulga !!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:03

3- Momento da contra-hegemonia: Lugares-comunistas contra as possibilidades de fascização

 

Depois de não ter concluído a tempo este escrito a três tempos, é preciso começar por reescrever e sumarizar alguns pontos das partes anteriores (aqui e aqui):

- a atual fase da disputa hegemónica centra-se no momento pós-troika;

- o pensamento dominante cavalga uma contradição acerca desse momento: nada poderá voltar a ser como dantes e tudo poderá regressar aos bons velhos tempos antes da troika;

- a ilusão pós-troika é uma peça provisória mas importante da discursividade oficial, para além dela, mesmo que se levantem outros horizontes de falsas esperanças de caráter ambivalente, o facto cru da austeridade permanente confronta-se com a possibilidade de esgotamento deste tipo de narrativas e o momento da força pode ser mais determinante do que o momento da hegemonia;

- a austeridade permanente estabelece-se como um estado de exceção permanente que se pode unir perigosamente às tecnologias e discursos do estado de exceção política;

- neste contexto, o discurso maioritário sobre a violência é enquadrado como o desenhar da ameaça de um “outro” desestabilizador e perigoso que mete em perigo todos os “esforços” das pessoas de bem;

- assim, é preciso relembrar o lugar-comum de esquerda: o discurso maioritário sobre a violência passa tanto por ligar algumas das possibilidades de resistência a esse “outro” violento como por impedir o reconhecimento das práticas governativas como violentas;

- a crise económica, o nível de violência sistémica, junto com a crise do sistema político, apresenta riscos de fascização;

- apresentar riscos de fascização não é sinónimo que dizer que existe um Salazar ao virar de cada esquina, pronto a entrar em jogo, mas reconhecer que se sentem micro-processos de fascização por baixo (as crises de grandes dimensões são terreno fértil para bodes expiatórios e populismos - os discursos genéricos e sem consequências sobre «os políticos» e «a corrupção» são disso sinal ) e por cima (o tal aumento da repressão sistémica de forma a manter a possibilidade de aplicação violência austeritária) e que a fascização é um processo multiforme e de ritmos diversos, não apenas um regime político acabado;

- o ponto aqui não é chegar à conclusão da necessária institucionalização das lutas políticas e sociais para escapar à narrativa da violência que lhe parece destinada ao menor incidente (até porque é impossível escapar da criação do inimigo violento);

- face a tudo isto a esquerda não creio que a esquerda tenha como tarefa inventar a roda mas voltar a alguns «lugares-comunistas».

 

Utilizo a terceira parte desta reflexão solta para voltar às últimas duas questões:

1- Em primeiro lugar, mais algumas palavras sobre a violência. Entretanto, os Gato Fedorento fizeram uma rábula cómica, também ela ambígua, sobre a “solução para a crise”. Cada um verá o que quiser na proposta de pagar a Steven Seagal para espancar os principais responsáveis políticos pela austeridade: de palhaçada sem sentido nenhum em particular, apenas para apanhar a onda, a criação consciente ou inconsciente de um escape para aliviar tensões (o que seria positivo do ponto de vista do sistema político) ou até a denúncia irónica do discurso da violência.

Pela minha parte, e só porque dá mais jeito para continuar a escrever isto, prefiro salientar a forma como a rábula se cruza não com o discurso dos profetas do óbvio mas com um certo senso comum “radical” que apela à violência. Deste ponto de vista, até se pode escolher: ou assumir que se trata do efeito Zé Povinho, de querer encarnar a voz do povo e dizer a verdade a brincar; ou, pelo contrário, pensar que se pode reduzir tudo a uma conservadora exposição do “ridículo”, uma desmontagem caricatural, como foi feita com o discurso de Marcelo Rebelo de Sousa sobre o aborto. Na segunda alternativa, a exposição do “ridículo” poderia atrever-se a constituir uma barragem à sua proliferação doravante.

Seja qual for a intenção que lhe colemos, interessa que é outro sinal importante da extensão da questão da violência que continua a circular nos discursos de rua e de café, nos fora mais “seletos” ou nos aproveitamentos cómicos. Interessa que a questão da violência não se deixa atropelar pelo número cómico. Antes pelo contrário. E, mais do que ridicularizar ou menorizar estes discursos, convém tomá-los a sério. São sinais e têm efeitos. Claro que é preciso ter cuidado e não tomá-los literalmente pelo seu valor facial: quem desabafa e alivia tensões, provavelmente em muitos casos repudiaria os atos concretos de violência, digo eu…

Mas a sua produção e reprodução continuada fora da esfera das narrativas e contra-narrativas da crise merece atenção. Não para os repudiar de forma simplista como ecos das botas cardadas que nos esperam e também não para os saudar de forma simplista como antecipações da “revolução que vem”. Para os compreender no seu caráter contraditório porque neles se radicaliza o afastamento da política tal como tem sido feita e que se expressava no abstencionismo dos zangados platonicamente com a política.

São discursos muitas vezes despolitizados, que se enganam no alvo (os políticos em geral ou então os meros gestores nacionais da crise), que não têm pensamento estratégico nenhum para além do “banano”, que até obscurecem as respostas possíveis, que ajudam a eclipsar o debate estratégico e colocam uma ética vaga de salvação nacional onde devia existir uma política profunda. São discurso reapropriáveis para os piores dos fins, fascizáveis (por cima e por baixo repita-se). Mas a esquerda tem de se atribuir a tarefa de dialogar com a forma como a ira espontânea responde à violência social que lhe é imposta. E, parece, entre as formas televisionadas e institucionalizadas de fazer política e esta ira cavou-se um abismo que não é uma piada.

 

2- Em segundo lugar, algumas breves linhas finais sobre outras facetas da resposta contra-hegemónica, sem grandes pretensões de constituir uma estratégia estruturada, a que chamei “lugares-comunistas”. Ou seja, um exercício de reinvenção dos lugares comuns políticos que ultrapasse a sua adoção estafada e repetida.

É um lugar-comum a referência ao 25 de Abril e às suas conquistas. É fundamental, para lutar defensivamente pela manutenção de direitos garantidos pelo Estado Social e pelas liberdades fundamentais, contra os fascismos possíveis e os austeritarismos reais, reinventar Abril. Tornar Abril um lugar-comunista implica ir além da mobilização de nostalgias em direção a um processo coletivo de subjetivação: é preciso ser Abril nas formas de resistência ao austeritarismo.

A consciência de classe foi um lugar-comum da esquerda. Ultimamente desaparecida do vocabulário político corrente, é tempo de reinventá-la contra as falsas unidades nacionais. Fazer Abril é direcionar-se este processo coletivo de subjetivação para a consciência de que somos trabalhadores que se opõem ao domínio capital. Para que possamos sonhar fazer mais do que resistir.

Talvez não seja habitualmente um lugar-comum da esquerda, mas não deixa de ser urgente: contra o discurso populista e simplista acerca dos políticos “todos iguais, todos corruptos” é preciso aquilo que Daniel Bensaïd chamava o “elogio da política profana”. Fazer Abril é defender a democracia, plural, partidária. É elogiar abertamente as complexidades da política e não a simplicidade da lambada.

Daí que o lugar-comum da defesa da necessidade de organização deva também ser reinventado. É precisa organização de médio e longo prazo, a defesa dos partidos e dos sindicatos e não o apelo à salvífica irrupção de violência, o mito inorgânico que resolveria os problemas de uma cartada.

É precisa organização e esforço persistente, menos individualidades egocêntricas. É precisa mesmo mais divisão e escolhas sobre estratégias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:38

Pág. 2/2





calendário

Janeiro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D