Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Quem lambe melhor as botas a Eduardo dos Santos?

por Rodrigo Rivera, em 16.10.13

 

A competição para o Partido que melhor lambe as botas ao regime ditatorial de Angola está cada vez mais competitiva em Portugal.

Depois de muitas presenças na Festa do Avante!, o PCP não se inibe de dar tiros no pé na melhor tradição internacionalista do partido, enviando «calorosas felicitações pelos expressivos resultados alcançados nas eleições realizadas a 31 de Agosto» (de 2012) ao seu parceiro MPLA.

 

Juntou-se ao PCP há uns dias, mas por outras razões, o Ministro-BPN Rui Machete, pedindo desculpa a Angola pelo correto funcionamento das instituições da Justiça portuguesa em relação à elite angolana.

 

O que hoje pode ter intrigado muita gente foi o anúncio de Eduardo dos Santos do fim da chamada parceria estratégica com Portugal, mesmo depois das "desculpas diplomáticas" que levariam, numa democracia representativa saudável, qualquer Ministro dos Negócios Estrangeiros ao chão. Em discurso na Assembleia Nacional de Angola, o Presidente do MPLA e pai da empresária que está a comprar meio Portugal invocou "incompreensões ao nível da cúpula e o clima político actual” para o fim desta parceria estratégica. Pode parecer incompreensível, até mesmo pura ingratidão para alguns, depois das contínuas tentativas do Governo PSD/CDS para agradar aos seus congéneres angolanos. Não nos enganemos: Eduardo dos Santos tem várias cartas, perdão, partidos na manga. 


A grande notícia do dia é outra. Parece que no mesmo dia em que manda esta bombástica notícia ao Rui Machete e restante Governo, o MPLA recebe confortavelmente em Luanda uma delegação do PS liderada pelo nosso querido José Lello, personagem que dispensa apresentações. A classe dominante tem várias faces e correntes que se movem na alternância da gestão do capitalismo, talvez mais claramente na democracia representativa portuguesa do que no regime angolano.

Lello - esta espécie de Miguel Relvas do PS - e o director para as Relações Internacionais do PS, Paulo Pisco, estão certamente a preparar relações internacionais de primeira categoria para quando o PS e seus cândidos dirigentes fizerem o upgrade da austeridade para a versão 2.0. Conseguimos assim começar a visualizar que tipo de alternativa o PS quer ser, dando por seguro um segundo resgate e assegurando boas relações com um velho ditador que mantém o seu povo na fome para sustentar uma elite com muitos amigos "democratas" pelos lados de Portugal. É a velha máxima do "diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és", num PS que já não tem vergonha da sua podridão interna.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:03


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.





calendário

Outubro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D