Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O vanguardismo doença infantil do comunismo?

por carlos carujo, em 03.02.14

 

 

São José Almeida, no Público, propõe a sua justificação para o fracasso de uma coligação de esquerda nas europeias.

Haverá alguns pormaiores para descontar no seu texto antes de entrar na questão que interessa aqui.

Todo o artigo é construído à volta da ideia da «herança de Cunhal» e do «modelo organizativo político que tem como referência em Portugal o PCP, que passa pelo funcionamento de acordo com as regras do centralismo democrático ou próximas dele, e que vive da ideia de se constituir em partido de vanguarda revolucionária que conduzirá à emancipação libertadora do povo, os trabalhadores, os operários, consoante o léxico nas diferentes épocas.»

Ao definir-se assim a temática, escolhe-se a simplificação extrema: não se diferenciam práticas ou tradições organizativas no interior dos partidos da esquerda anticapitalista; reduz-se o todo a uma qualquer variação mínima de um cunhalismo (sem especificar se existe um modelo de partido propriamente cunhalista); não se enquadra minimanente em termos históricos a tradição leninista. Todos diferentes, estes partidos seriam, no fundo, todos iguais.

Clarifique-se que a acusação tem um alvo particular. O texto é, sobretudo, dirigido ao Bloco de Esquerda que seria culpado de viver ainda na galáxia cunhalista (e por isso ser incapaz de uma política de alianças não sectária).

O processo de intenções de descobrir um leninismo vanguardista escondido na política bloquista é, diga-se, recorrente nas análises sobre o BE. Desde a sua fundação que se escrutinaram minuciosamente textos e práticas na ânsia de encontrar discrepâncias entre uma suposta agenda pós-moderna e um protoleninismo. Ao menor caso, declaração desastrada de um dirigente ou erro político imaginado ou clamoroso, sempre houve alguém disposto a desvelar a sua causa profunda num perigoso estalinismo emperdernido por sob aquela brilhante camada de verniz cosmopolita e mediático.

O problema deste artigo passa também por pressupor intenções «vanguardistas» sem sequer se dedicar à tarefa de mostrar as fontes de onde deriva a conclusão. Bastaria levantar a suspeita sobre os partidos fundadores do Bloco e pouco mais. Ora, o BE tem um determinado tipo de funcionamento mas não tem uma teoria de partido consensualizada (e digo-o não como se isso fosse uma virtude).

Tampouco o artigo procura (talvez seja pedir-lhe demais para os seus propósitos e dimensão) justificar a existência dessas intenções «vanguardistas» através do funcionamento interno do partido. E, também aqui, não escrevo para justificar o Bloco: há que reconhecer problemas organizativos, tentar encontrar soluções, mudar. E há que identificar causas: estes problemas decorrem mais das estratificações em que incorrem as organizações tradicionais, da divisão tradicional do trabalho nas sociedades em que vivemos, dos perigos do centralismo político, da mediatização e da institucionalização entre outros fatores do que de um leninismo bloquista.

A tese de São José Almeida não se interessa pela história, pelos escritos ou pelas práticas desse vanguardismo (bloquista ou comunista). Faz uma psicanálise selvagem dos dirigentes políticos da esquerda que «mesmo que não o assumam e até nem disso tenham consciência» estarão condenados a determinado ponto de visto e um exercício de idealização que liga a questão organizativa e a política de alianças a um ideal de vanguardismo revolucionário utópico que guiaria estes partidos que se veriam como messias a guiar o rebanho.

Desconte-se, já agora, outro pormaior a este respeito: uma aceção confusa de frentismo. Escreve Almeida que «o vanguardismo político próprio das forças que bebem no modelo de acção política leninista concretizou-se historicamente no chamado "frentismo político", através de movimentos unitários de Frente Popular.» O que a autora chama de frentismo é a ideia de que a aliança política é a subjugação ao partido guia. Descontam-se assim as minudências da história: para falar na política de alianças comunista seria preciso ir à história do movimento comunista internacional para perceber diferentes formas de frentismo, das frentes populares de governo com o PS às teorias da social-democracia enquanto social-fascismo etc., para tomar o PCP como modelo de frentismo seria preciso situar as suas várias atitudes políticas antes e depois do 25 de Abril etc.

As conclusões do artigo serão relativamente desinteressantes para pensar a esquerda anticapitalista: que é impossível «organizar movimentos democráticos e transversais hoje em dia com forças que persistem em considerar-se como vanguardas e se vêem como as detentoras da via correcta e da verdadeira linha justa para a condução das massas» e a redução (outra vez idealista) ao binarismo entre o utopismo vanguardista a que responde o pragmatismo bom.

Mas sublinhe-se que, por debaixo de algumas formulações desinteressantes,  São José Almeida levanta um problema político profundamente interessante: como, nos dias que correm, organizar um partido (anticapitalista) o mais democrático possível não só enquanto instrumento de emancipação sonhada no futuro mas como ferramente de democratização permanente no presente; como construir um partido que não cave um fosso abissal entre «massas para conduzir» e «vanguarda política».

O ângulo de abordagem de Almeida parece não se dirigir tanto ao fosso dirigentes/dirigidos/as. Apesar de afirmar que a «vanguarda política surge desfasada na era da comunicação de massas» não equaciona aqui, por exemplo, o problema inverso nos partidos do sistema que se foram transformando de partidos de massas no período pós-revolucionário em partidos de espectadores que encenam consecutivamente a salvação da pátria a partir do rotatitivismo co-substanciado numa liderança unipessoal redentora.

Bem mais interessante do que as declarações de óbito do pensamento leninista é que continue, num contexto radicalmente diferente, a haver tudo por discutir sobre questões tradicionais como o que é um partido e como se deve organizar, se faz sentido essa ideia da vanguarda (ou o queria dizer quando tal foi escrito), o que é isso da consciência política e social e, sobretudo, como é possível resistir à barbárie.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:54


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.





calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D